necessidade gostosa do bom dia

Posso te chamar de a última garrafa de água no deserto? Porque é o que você é. Você apareceu e talvez seja aquele milagre como dizem, para se ter fé e esperança de que eventualmente tudo dará certo. Você chegou, me colocou no eixo novamente com esse teu jeito bobo, carinhoso e me arrancou mais risos em um dia do que eu costumava dar durante o mês. Essa sensação que você me traz é inexplicável. Não sei o que é, mas sei que não quero que vá embora. Você se tornou aquela necessidade gostosa do bom dia, de contar as novidades da vida até como o céu estava claro e o dia quente. Você chegou, sem rodeios, sem planejamento e me mostrou que cada circunstância tem seu motivo. Não posso dizer que sempre fui amarga antes da sua chegada, mas você tornou os dias mais fáceis para mim. E se um dia nos tornarmos nós, se for toda aquela coisa de destino e se acontecer será como você diz. Eu poderia falar de todas as suas qualidades, de como você cuida de mim, me faz sorrir o tempo todo ou tem o dom de me deixar brava só porque é algo “fofinho”, você é uma das pessoas mais insuportáveis (e engraçadas) que já conheci. Sei que se for destino (ou não), tenho um pedacinho teu na minha vida e isso me faz ser grata por cada momento que tivemos. A necessidade de te cuidar e te proteger de todo o mal que existe a cada dia cresce mais. Cada dia quero estar aqui por ti, para te provar que além de tudo você merece distribuir mais sorrisos do que lágrimas. Se você fosse minha última garrafa de água no deserto eu beberia até acabar, mesmo sabendo que algumas horas depois estaria morrendo de sede, pois não me arrependeria de ter tido aquela sensação de que tudo estava em seu devido lugar.
Anna Paula Varella.