Um dia com cara de domingo

Você apareceu em um dia comum. Um dia com cara de domingo, acompanhado de um céu mal ensolarado. Em um dia que não prometia muita coisa, aliás, não prometia nada. Em um daqueles dias bem mais ou menos. Mas você apareceu, com aquele teu sorriso meio torto, meio bobo. Com aquele teu olhar meio risonho. Sabe você é daquele tipo seleto de pessoas que sorri através dos olhos. Você me aconteceu para provar para o meu pobre coração, que ele é mais bobo do que aparenta ser. Para me provar de que não há para onde ir, não há para onde fugir. Você sorriu pra mim e provou que meu coração é tolo demais para não se apaixonar por você. Veja só você mal chegou e já está me fazendo escrever sobre todo aquele clichê chamado de amor novamente. Na verdade, prometi a mim mesma em uma noite acompanhada pela insônia que tomaria cuidado com esse tal de amor. Então, você aconteceu e me fez mergulhar no fundo dos teus olhos, me perdendo, me afogando em um mar dono de um azul profundo. Você apareceu e trouxe consigo uma garrafa contendo uma boa dose de coragem, com meu nome gravado nela. Fez-me adentrar sem medo em águas extremamente profundas e desconhecidas. Fez-me engolir o medo do mundo e me jogar em queda livre na vida. Você veio com seu jeito bobo de ser, com aquele sorriso no canto dos olhos e o olhar sempre risonho que tanto amo. Você me apareceu em uma quinta-feira que não prometia nada e hoje deixou de ser mais um dia qualquer. Aconteceu para fazer aquele dia mais ou menos, com cara de domingo e mal ensolarado torna-se o seu dia. Aconteceu para fazer o sol sorrir para a vida e a vida sorrir finalmente para mim, você apareceu e agora é a hora de nós dois acontecermos.
Jhennifer Werneck