carinho briga e reconciliação

Sabe, eu nunca falo sobre o amor com as pessoas por achar que é algo tão precioso que não deve ser banalmente comentado. Todo mundo tem sua definição de amor, alguns acham que já viveram, outros acham que viverão vários e tem aqueles que acham que nunca irão encontrar. Pra começar, eu acho que amor não deve ser definido, deve ser sentido, mas sentido em todos os sentidos. Pelo paladar através do gosto de beijos demorados com aquele toque de malícia, deve ser visto nas trocas de olhares que falam mais do que a própria boca, deve ser escutado com atenção para entender as suas entrelinhas, deve estar no toque dos corpos entrelaçados formando um único ser. Amor é ápice corporal, mas também é orgasmo sentimental, é cuidado, carinho, briga e reconciliação. Amar é conjugação de verbo no passado, no presente e será também no futuro. É forma distinta de poema e poesia. Amor é história. É geografia quando dois corpos se encontram separados pelos quilômetros, continentes ou trópicos. É matemática na divisão de sonhos e desejos. E, em matéria de amor, meu caro, cada um sabe das suas capacidades e daquilo que é capaz de dar, pois amar é indefinivel, só quem ama sabe o que sente, e mesmo que tente, as palavras sempre serão poucas para descrever os nós, dos laços do amor.
Simone Ribeiro grafou sobre amor com Isabela Queiroz.