Tem dias que chove lá fora

Tem dias que chove lá fora, mas tem dias que chove aqui dentro, dentro do peito, onde eu guardo você e todos meus sentimentos, bons ou ruins, sejam lá quais forem. Qualquer dor é bem-vinda, assim como o amor. Meu peito se enche e as lágrimas que não saem inundam tudo por dentro, minhas borboletas no estômago se embriagam com todo álcool que eu ingeri noite passada e, por fim morrem de desespero, cansadas de lutar infindáveis batalhas contra qualquer coisa que eu coloco pra dentro na esperança de matar algo que me faz mal. E a fumaça que eu inalei ontem, na sessão de fumantes daquele restaurante que costumávamos ir, mesmo sem curtir a comida. Dentro do meu peito algo grita e eu na minha total ignorância não ouso escutar, afinal o coração é só um músculo feito pra bombear sangue. Toda vez eu peço que um dia ele se canse, se cale, suma daqui, saia correndo pela minha boca com suas perninhas minúsculas e morra na primeira esquina, pra que nunca mais volte a bater aqui dentro. Nesses dias que chovem aqui dentro eu só quero que o dia passe, que a semana acabe, que o tempo voe e que eu não acorde quando amanhecer.
Bianca Autran